site logo
 

PUBLICIDADE

img

Mostra Cinema Psi ganha 2ª edição no Lumière0 comentário

Vem Aí

Tamanho da fonte A A

Publicado em 15/08/2018 12:40

Luiz Felipe Pondé, filósofo, escritor e ensaísta brasileiro
 

A 2ª Mostra Cinema Psi – A dor e a delícia de existir será realizada no Cine Lumière Bougainville, de 22 a 29 de agosto. A abertura da programação será com a palestra do filósofo, escritor e ensaísta brasileiro Luiz Felipe Pondé, às 19h30, no dia 22 (quarta-feira). O evento contará com palestras e exibição de 13 filmes sobre temas ligados à mulher.

 

Idealizada pelo diretor da rede Cinemas Lumière, Gerson Santos, com curadoria do professor de cinema da Universidade Federal de Goiás, Lisandro Nogueira, a 2ª edição da mostra terá o apoio cultural da Unimed Goiânia e Unipaz. Durante toda a programação da mostra, todos pagarão meia entrada. Os valores irão variar de R$ 15 (sessão de filme sem debate) a R$ 70 (palestra Luiz Felipe Pondé), com benefícios para clientes Unimed e Unipaz e filiados à APUC. 

 

Filmes– Escritoras, filósofas, artistas, jovens, adolescentes, crianças especiais, mulheres maduras e outras personagens encontram nos filmes curados por Lisandro Nogueira um canal para a vazão de seus desejos, angústias e mistérios. Os 13 títulos – Hilda Hilst pede contato (Brasil, doc, 2018, 75', direção: Gabriela Greeb); Dahpne (Reino Unido, drama, 2016, 93', direção: Peter Mackie Burns); Oh Lucy! (Japão / EUA, drama, 2017, 95', direção: Atsuko Hirayanagi, Shinobu Terajima, Josh Hartnett); A festa (Reino Unido, drama / comédia, 2017, 71', direção: Sally Potter); Yonlu (Brasil, drama, 2017, 88', direção: Hique Montanari); À ciel ouvert (França / Bélgica, documentário, 2014, 112’, direção: Mariana Otero); Cachorros (França / Chile, drama, 2017, 94', direção: Marcela Said); Egon Schiele – Morte e a donzela (Áustria / Luxemburgo, drama, 2016, 109', direção: Dieter Berner); Elena (Brasil, documentário, 2013, 82', direção: Petra Costa); Benzinho (Brasil, drama, 2018, 95', direção: Gustavo Pizzi); 45 Anos (Reino Unido, drama, 2015, 95', direção: Andrew Haigh); A outra Mulher (França, comédia, 2018, 84', direção: Daniel Auteil) e Hannah (Bélgica / França / Itália, drama, 2017, 95', direção: Andrea Pallaoro) – serão o ponto de partida para a discussão de diversos assuntos relacionados ao “ser mulher” na contemporaneidade, como o envelhecimento, as desilusões amorosas, o empoderamento feminino, os laços familiares, a maternidade e a solidão.

 

Convidados– Além de Luiz Felipe Pondé, são convidados desta edição a psicanalista e escritora Regina Navarro; o psicanalista e professor titular do Instituto de Psicologia da USP, Christian Dunker; a psicóloga Gina Bueno, a psiquiatra Valéria Ávilla e as psicanalistas Glacy Roure, Luciane Carneiro, Luciene Godoy, Márcia Marina, Ruskaya Maia e Valéria Ferranti.

 

Curso– Durante a semana da mostra, a Delegação de Goiás e do Distrito Federal da Escola Brasileira de Psicanálise promoverá o curso Autismo e Psicose na Infância, ministrado pela psicanalista Valéria Ferranti, no dia 25 de agosto, das 8h30 às 10h30, na sede da escola (Rua Dr. Olinto Manso Pereira, n. 673, sala 305, Setor Sul). A inscrição custará R$ 100 e poderá ser realizada com o envio de e-mail para [email protected] Após o curso, às 11h, ocorrerá a transmissão da conferência internacional sobre autismo, proferida pela psicanalista Véronique Marriage, direto de Bogotá.

 

Serviço:

Programação 2ª Mostra Cinema Psi – A dor e a delícia de existir (sujeita a alterações)

Local: Cine Lumière Shopping Bougainville - Rua 9, n. 1855, Setor Marista

Ingressos (todos pagam meia entrada):

Palestra Luiz Felipe Pondé: R$ 70,00 (meia)

Sessões de filmes: R$ 15,00 (meia)

Sessões + debate: R$ 25,00 (meia)

Informações: http://www.cinemaslumiere.com.br

 

22/08/18 - Quarta

Sala 1

Palestra: Luiz Felipe Pondé – 19h30

“A mulher e o amor romântico no mundo contemporâneo”

Luiz Felipe Pondé é filósofo, escritor e ensaísta brasileiro. Doutor em Filosofia pela Universidade de Paris e pela FFLCH da USP, pós-doutor pela Universidade da Tel Aviv. Autor de 15 livros em circulação e colunista da Folha de São Paulo.

 

 

23/08/18 - Quinta

Sala 1

Sessão – 14h30

Hilda Hilst pede contato (Brasil, doc, 2018, 75', direção: Gabriela Greeb). Indicado para: 12 anos.

 

Hilda Hilst, poeta paulista falecida em 2004 e uma das mais importantes vozes da literatura brasileira, volta para a Casa do Sol, chácara onde vivia em Campinas, e convida intelectuais, pensadores, poetas e amigos para um encontro com o objetivo de estabelecer contato entre os vivos e os mortos. Misturando diferentes estilos narrativos, ficção com realidade e de forma não linear, o filme explora o cerne do pensamento hilstiano e diferentes elementos da obra da autora.

 

 

 

Sessão – 16h30

Dahpne (Reino Unido, drama, 2016, 93', direção: Peter Mackie Burns). Indicado para: 16 anos.

 

Londres, Inglaterra. Aos 31 anos, Daphne (Emily Beecham) constantemente tem a sensação assustadora de que sua vida está parada, pois se sente jovem demais para se estabelecer e velha demais para ficar zoando por aí. Para distrair, ela mantém os dias e as noites ocupados com pessoas, amigos e amantes. Certa noite, um assalto violento a força a confrontar esse limbo existencial, analisando de perto a pessoa que se tornou.

 

Sessão + debate – 19h00

Oh Lucy! (Japão / EUA, drama, 2017, 95', direção: Atsuko Hirayanagi, Shinobu Terajima, Josh Hartnett). Indicado para: 16 anos.

Setsuko está presa em sua vida monótona em Tóquio, até que um dia ela decide iniciar uma aula de inglês que exige que ela use peruca loira e viva como uma personagem americana chamada "Lucy". A nova identidade desperta algo adormecido em Setsuko. Ela se apaixona por seu professor americano John, que desaparece repentinamente. Setsuko, então, decide ir para a América em busca de seu amado, e sua vida irá virar de cabeça para baixo. Exibido na Semana da Crítica do Festival de Cannes 2017.

 

Conversa com Luciane Carneiro e Márcia Marina

“A mulher, o amor e o desejo quase absoluto”

 

Luciane Carneiro é psicóloga e psicanalista. É membro titular do Grupo de Estudos Psicanalíticos de Goiânia (GEPG), da Associação Psicanalítica Internacional (IPA) e da Federação Brasileira de Psicanálise (FEBRAPSI).

 

Márcia Marina é graduada em Psicologia pela PUC Goiás, fundadora e diretora do Núcleo Freudiano de Psicanálise em Goiânia (1995) e criadora do Gradiva Centro Cultural. É fundadora da Casa de Cultura Atillio Zamperoni (2016) e da AFA - Associação dos Amigos do Festival de Arte, Cinema e Biografia de Artistas de Asolo-Itália (2015) - Goiânia - Goiás e Asolo – Itália, onde é presidente.

 

 

24/08/18 - Sexta

Sala 1

Sessão – 14h30

A festa (Reino Unido, drama / comédia, 2017, 71', direção: Sally Potter). Indicado para: 14 anos.

 

Janet (Kristin Scott Thomas), uma política de esquerda, convida os amigos do partido para comemorar a sua escolha para o cargo de Ministra da Saúde britânica, coroando um objetivo que ela perseguia há anos. Os amigos – e penetras – também têm suas revelações, como uma gravidez inesperada. Mas é a surpresa revelada pelo marido de Janet, o intelectual Bill (Timothy Spall), que transforma completamente o clima da celebração.

 

Sessão – 16h30

Yonlu (Brasil, drama, 2017, 88', direção: Hique Montanari). Indicado para: 14 anos.

 

Yonlu é um filme baseado na história real de um garoto de 16 anos que, com a ajuda da internet, conquistou o mundo com seu talento para a música e para a arte. Fluente em cinco idiomas, Yonlu tinha uma rede de amigos virtuais em todos os continentes. Ninguém desconfiava, contudo, que também participava de um fórum de potenciais suicidas. O filme Yonlu usa as linguagens da animação, do musical e do videoclipe para representar a trajetória de um menino muito criativo nos caminhos da internet, que pareciam tão brilhantes e acolhedores, mas que também escondiam esquinas sombrias e perigosas.

 

 

Sessão + debate – 19h

À ciel ouvert (França / Bélgica, documentário, 2014, 112’, direção: Mariana Otero). Indicado para: 14 anos.

 

Alysson observa seu corpo com estranhamento. Evanne se sacode e gira balança até ficar tonta e cair. Amina não consegue fazer com que as palavras saiam de sua boca. Na fronteira franco-belga, há um lugar que se dedica a cuidar de crianças com problemas mentais. Dia após dia, os adultos tentam entender o enigma que guarda cada um deles e propõem soluções que irão ajudá-los a viver melhor.

 

Conversa com Valeria Ferranti Baptista

“O autismo”

 

Valéria Ferranti Baptista é psicanalista membro da Escola Brasileira de Psicanálise (AMP), coordenadora do Ciranda-SP – Núcleo de Pesquisa em Psicanálise com a Criança, e diretora do Clin-a – Centro Lacaniano de Investigação da Ansiedade.

 

25/08/18 - Sábado

Sala 1

Sessão – 14h30

Cachorros (França / Chile, drama, 2017, 94', direção: Marcela Said). Indicado para: 14 anos.

 

Mariana faz parte da elite chilena. Desprezada por seu pai e seu marido por não conseguir engravidar, ela começa a se sentir atraída por Juan, seu professor de equitação, um ex-coronel suspeito de crimes contra os direitos humanos durante a ditadura. O relacionamento dos dois entra em colapso quando Mariana descobre que o passado obscuro de Juan está relacionado ao passado de sua família.

 

 

Sessão – 16h30

Egon Schiele – Morte e a donzela (Áustria / Luxemburgo, drama, 2016, 109', direção: Dieter Berner). Indicado para: 14 anos.

 

Jovem, talentoso, sedutor. Egon Schiele é um dos artistas mais provocativos de Viena no início do século XX. Sua vida e obra são impulsionados pelas mulheres que o cercam: Gerti, sua irmã e primeira musa. E Wally, seu grande amor de apenas 17 anos, imortalizada na famosa pintura “Morte e a Donzela”. Com seu estilo radical, Egon atrai artistas ousados como Gustav Klimt, mas causa um escândalo na sociedade local. Para defender sua arte, ele está disposto a sacrificar seu amor. E até sua vida.

 

Sessão + debate – 19h

Elena (Brasil, documentário, 2013, 82', direção: Petra Costa). Indicado para: 12 anos.

 

Ao viajar para Nova York, Elena segue o sonho de se tornar atriz de cinema e deixa no Brasil uma infância vivida na clandestinidade, devido à ditadura militar implantada no país, e também a irmã mais nova, Petra, de apenas sete anos. Duas décadas depois, Petra, já atriz, embarca para Nova York atrás da irmã. Em sua busca Petra apenas tem algumas pistas, como cartas, diários e filmes caseiros. Ela acaba percorrendo os passos da irmã até encontrá-la em um lugar inesperado.

 

Conversa com Christian Dunker e Glacy Roure

“As perdas e a memória da vida de uma mulher”

 

Christian Dunker é psicanalista, professor titular do Instituto de Psicologia da USP, instituição onde coordena o Laboratório de Teoria Social, Filosofia e Psicanálise. Colunista do Jornal Zero Hora e da Boitempo, é autor de Estrutura e Constituição da Clínica Psicanalítica (Annablume, 2012) e Mal-Estar, Sofrimento e Sintoma (Boitempo, 2014), ambos agraciados com o prêmio Jabuti, além de Reinvenção da Intimidade (Ubu, 2017).

 

Glacy Roure possui graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (1982), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Goiás (1993) e doutorado em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas (2002) e Pós Doutorado em Sociologia da Infância pela Universidade do Minho / Portugal (2013) . É professora titular do Programa de Pós Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica de Goiás . É psicanalista e membro do Espaço Psicanalitico de Goiânia/Goiás . Atua principalmente nos seguintes temas: psicanálise, educação, arte, cultura, família e infância.

 

26/08/18 - Domingo

Sala 1

Sessão – 14h30

 

Yonlu (Brasil, drama, 2017, 88', direção: Hique Montanari). Indicado para: 14 anos.

 

Yonlu é um filme baseado na história real de um garoto de 16 anos que, com a ajuda da internet, conquistou o mundo com seu talento para a música e para a arte. Fluente em cinco idiomas, Yonlu tinha uma rede de amigos virtuais em todos os continentes. Ninguém desconfiava, contudo, que também participava de um fórum de potenciais suicidas. O filme Yonlu usa as linguagens da animação, do musical e do videoclipe para representar a trajetória de um menino muito criativo nos caminhos da internet, que pareciam tão brilhantes e acolhedores, mas que também escondiam esquinas sombrias e perigosas.

 

Sessão – 16h30

Benzinho (Brasil, drama, 2018, 95', direção: Gustavo Pizzi). Indicado para: 12 anos.

 

Irene (Karine Teles) mora com o marido Klaus (Otávio Müller) e seus quatro filhos. Ela está terminando os estudos enquanto se desdobra para complementar a renda da casa e ajudar a irmã Sônia (Adriana Esteves). Mas quando seu primogênito Fernando (Konstantinos Sarris) é convidado para jogar handebol na Alemanha, ela terá poucos dias para superar a ansiedade e ganhar forças antes de mandar seu filho para o mundo. Exibido nos festivais de Sundance, Roterdã e Gramado em 2018.

 

 

Sessão + debate – 19h

45 Anos (Reino Unido, drama, 2015, 95', direção: Andrew Haigh). Indicado para: 12 anos.

 

Kate Mercer (Charlotte Rampling) está planejando a festa de comemoração dos 45 anos de casada. Porém, cinco dias antes do evento, o marido recebe uma carta: o corpo de seu primeiro amor foi encontrado congelado no meio dos Alpes Suíços. A estrutura emocional dele é seriamente abalada e Kate já não sabe se vai ter o que comemorar durante a festa.

 

Conversa com Regina Navarro

“Amor e sexo após os 50 anos”

Regina Navarro é psicanalista e escritora, nascida e residente no Rio de Janeiro. Trabalha em seu consultório particular em terapia individual e de casais. Ex-professora de Psicologia do Departamento de Comunicação Social da PUC-RJ, foi colunista de diversos jornais e apresentou programas de rádio. Tem um blog no portal UOL e realiza palestras sobre relacionamento amoroso em várias cidades do país. É consultora e participante do programa Amor&Sexo, da TV Globo, e colunista semanal da Globonews. É autora de doze livros, entre eles, o best-seller A Cama na Varanda, O Livro do Amor e Novas Formas de Amar, recentemente lançado.

 

27/08/18 - Segunda

Sala 1

Sessão – 14h30

 

À ciel ouvert (França / Bélgica, documentário, 2014, 112’, direção: Mariana Otero). Indicação livre.

 

Alysson observa seu corpo com estranhamento. Evanne se sacode e gira balança até ficar tonta e cair. Amina não consegue fazer com que as palavras saiam de sua boca. Na fronteira franco-belga, há um lugar que se dedica a cuidar de crianças com problemas mentais. Dia após dia, os adultos tentam entender o enigma que guarda cada um deles e propõem soluções que irão ajudá-los a viver melhor.

 

Sessão – 16h40

Hilda Hilst pede contato (Brasil, doc, 2018, 75', direção: Gabriela Greeb). Indicado para: 12 anos.

 

Hilda Hilst, poeta paulista falecida em 2004 e uma das mais importantes vozes da literatura brasileira, volta para a Casa do Sol, chácara onde vivia em Campinas, e convida intelectuais, pensadores, poetas e amigos para um encontro com o objetivo de estabelecer contato entre os vivos e os mortos. Misturando diferentes estilos narrativos, ficção com realidade e de forma não linear, o filme explora o cerne do pensamento hilstiano e diferentes elementos da obra da autora.

 

Sessão – 19h

Egon Schiele – Morte e a donzela (Áustria / Luxemburgo, drama, 2016, 109', direção: Dieter Berner). Indicado para: 14 anos.

 

Jovem, talentoso, sedutor. Egon Schiele é um dos artistas mais provocativos de Viena no início do século XX. Sua vida e obra são impulsionados pelas mulheres que o cercam: Gerti, sua irmã e primeira musa. E Wally, seu grande amor de apenas 17 anos, imortalizada na famosa pintura “Morte e a Donzela”. Com seu estilo radical, Egon atrai artistas ousados como Gustav Klimt, mas causa um escândalo na sociedade local. Para defender sua arte, ele está disposto a sacrificar seu amor. E até sua vida.

 

Sessão – 21h

Oh Lucy! (Japão / EUA, drama, 2017, 95', direção: Atsuko Hirayanagi, Shinobu Terajima, Josh Hartnett). Indicado para: 16 anos.

Setsuko está presa em sua vida monótona em Tóquio, até que um dia ela decide iniciar uma aula de inglês que exige que ela use peruca loira e viva como uma personagem americana chamada "Lucy". A nova identidade desperta algo adormecido em Setsuko. Ela se apaixona por seu professor americano John, que desaparece repentinamente. Setsuko, então, decide ir para a América em busca de seu amado, e sua vida irá virar de cabeça para baixo. Exibido na Semana da Crítica do Festival de Cannes 2017.

 

28/08/18 - Terça

Sala 1

Sessão – 14h30

 

Dahpne (Reino Unido, drama, 2016, 93', direção: Peter Mackie Burns). Indicado para: 16 anos.

 

Londres, Inglaterra. Aos 31 anos, Daphne (Emily Beecham) constantemente tem a sensação assustadora de que sua vida está parada, pois se sente jovem demais para se estabelecer e velha demais para ficar zoando por aí. Para distrair, ela mantém os dias e as noites ocupada com pessoas, amigos e amantes. Certa noite, um assalto violento a força a confrontar esse limbo existencial, analisando de perto a pessoa que se tornou.

 

Sessão – 16h30

45 Anos (Reino Unido, drama, 2015, 95', direção: Andrew Haigh). Indicado para: 12 anos.

 

Kate Mercer (Charlotte Rampling) está planejando a festa de comemoração dos 45 anos de casada. Porém, cinco dias antes do evento, o marido recebe uma carta: o corpo de seu primeiro amor foi encontrado congelado no meio dos Alpes Suíços. A estrutura emocional dele é seriamente abalada e Kate já não sabe se vai ter o que comemorar durante a festa.

 

Sessão + debate – 19h

A outra Mulher (França, comédia, 2018, 84', direção: Daniel Auteil). Indicado para: 16 anos.

 

Daniel é apaixonado por sua esposa e é conhecido por sua imaginação fértil. Quando seu melhor amigo insiste em organizar um jantar entre casais, para apresentar sua nova namorada, Daniel se encontra preso entre a sua esposa e as fantasias que começa a ter com a namorada do amigo.

 

Conversa com Luciene Godoy e Valéria Ávilla

“Os desafios para a mulher contemporânea”

 

Luciene Godoy é psicanalista lacaniana especializada em psicologia clínica pela PUC-SP. É presidente da ONG Projeto Bebê Canguru e autora dos livros A felicidade bate à sua pele – uma teoria do apaixonamento e Angústia nascida com a vida: a perda do corpo da mãe.

 

Valéria Ávilla é psiquiatra, psicanalista e escritora. É especialista em Psiquiatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina de Petrópolis (FMP-RJ). Psiquiatra forense e psicoterapeuta especializada pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), é médica Perita Oficial do Poder Judiciário do Estado de Goiás e professora convidada da Escola Superior do Ministério Público de Goiás. Ex-presidente da Associação Psiquiátrica de Goiás (APG), é também psicanalista Lacaniana pelo Grupo de Formação Luciene Godoy e pelo Instituto de Psicanálise Lacaniana de São Paulo (IPLA).

 

 

29/08/18 - Quarta

Sala 1

Sessão – 14h30

 

Cachorros (França / Chile, drama, 2017, 94', direção: Marcela Said). Indicado para: 14 anos.

 

Mariana faz parte da elite chilena. Desprezada por seu pai e seu marido por não conseguir engravidar, ela começa a se sentir atraída por Juan, seu professor de equitação, um ex-coronel suspeito de crimes contra os direitos humanos durante a ditadura. O relacionamento dos dois entra em colapso quando Mariana descobre que o passado obscuro de Juan está relacionado ao passado de sua família.

 

 

Sessão – 16h30

 

A festa (Reino Unido, drama / comédia, 2017, 71', direção: Sally Potter). Indicado para: 14 anos.

 

Janet (Kristin Scott Thomas), uma política de esquerda, convida os amigos do partido para comemorar a sua escolha para o cargo de Ministra da Saúde britânica, coroando um objetivo que ela perseguia há anos. Os amigos – e penetras – também têm suas revelações, como uma gravidez inesperada. Mas é a surpresa revelada pelo marido de Janet, o intelectual Bill (Timothy Spall), que transforma completamente o clima da celebração.

 

 

 

Sessão + debate – 19h

Hannah (Bélgica / França / Itália, drama, 2017, 95', direção: Andrea Pallaoro). Indicado para: 12 anos.

 

 

Hannah é uma mulher que perdeu quase tudo que acreditava ser sua vida. Interpretada pela cultuada atriz inglesa Charlotte Rampling, Hannah tem que lutar com as consequências da prisão do marido. Uma nova realidade econômica, a rejeição do filho, a completa solidão, a velhice. Nas aulas de teatro e nos momentos na piscina, ela constrói a busca por uma nova identidade. Um retrato íntimo do isolamento e da alienação no mundo atual, a dificuldade de ter e manter relações, as linhas divisórias entre a identidade individual e as pressões sociais. Por Hannah, Rampling recebeu o Prêmio de Melhor Atriz na Mostra de Veneza em 2017. O filme também recebeu o Prêmio de Melhor Fotografia no Chicago International Film Festival 2017.

 

Conversa com Gina Bueno e Ruskaya Maia

“Os mistérios de uma mulher”

 

Gina Bueno é doutora em Psicologia pela PUC-GO, onde leciona desde 2001. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Análise Experimental e Análise do Comportamento Aplicada, tanto em pesquisa quanto em atuação clínica. É professora do Curso de Pós-Graduação em Psicopatologia: subsídios para atuação clínica, promovido pelo Centro de Pós-Graduação Lato Sensu da PUC-GO. É autora do livro A Esquizofrenia de Acordo com a Abordagem Comportamental, em parceria com Ilma Goulart de Souza Britto, e tem diversos trabalhos publicados em capítulos de livros e periódicos especializados. É membro da Associação Brasileira em Psicoterapia e Medicina Comportamental e está inscrita no Conselho Regional de Psicologia de Goiás.

 

Ruskaya Maia é psicanalista Membro da Escola Brasileira de Psicanálise e da Associação Mundial de Psicanálise, mestre em Psicologia Clínica pela UnB, e especialista em Teoria da Psicanálise de Orientação Lacaniana pela Intersecção Psicanalítica do Brasil (IPB) / Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública.

 

 

 


 

PUBLICIDADE

img

PUBLICIDADE

img

PUBLICIDADE

img

PUBLICIDADE

img

AGENDA

< >

Comentários

Deixe um comentário

Seu email não será divulgado

O autor do comentário é o único responsável pelo conteúdo publicado.

img

Av. D, nº 419, sala 401, Ed. Comercial Marista

Goiânia - GO / CEP:74.150-040

(62) 9946-0186

[email protected]