site logo
 

Entrevista: André Segatti0 comentário

Entrevista

Publicado em 22/10/2015 21:45

André Segatti
 

Nova montagem do espetáculo "Toda Donzela tem um Pai que é uma Fera" será apresentada em Goiânia neste sábado (24) e domingo (25), no Teatro SESI. Conversamos por WhatsApp com André Seggati, que além de atuar no espetáculo como "Porfírio", também é o responsável pela adaptação e direção. Ele falou sobre as montagens anteriores do espetáculo, sobre a atualidade do tema e sobre as expectativas para as apresentações em Goiânia. Confira!


Confira na íntegra




A primeira vez que "Toda Donzela tem um Pai que é uma Fera" estreou no teatro, em 1964, Tarcísio Meira e Cláudio Marzo estavam no elenco. Como tem sido a experiência de remontar o espetáculo, também assumindo a adaptação e direção?

A experiência em poder estar produzindo, dirigindo, fazendo a adaptação desse texto genial de Gláucio Gill é uma das mais incríveis possíveis. Por se tratar principalmente de uma comédia, um clássico da comédia brasileira, e foi na verdade estrelada por grandes e grandes artistas. Ela inicialmente teve estreia no Rio de Janeiro, numa conversa que eu tive com o Daniel Filho. Ele me disse que ele participou da primeira montagem, em 1962. Daniel Filho, Renata Fronzi, Joana Fomm, grandes e grandes atores passaram por ela. Posteriormente, em 1964, foi feita uma nova montagem em São Paulo, com Tarcísio Meira, nosso saudoso Cláudio Marzo e a Ítala Nandi. Então essa peça realmente atrai grandes atores e ela faz com que as pessoas se divirtam absurdamente assistindo e faz com que o elenco também, no momento em que está trabalhando, se divirta junto com todo o público. É maravilhoso! Ela é tão bacana, tão genial e ela por ser uma comédia de situações, é um "vaudeville", ela também se tornou filme em 1966, com a direção do Roberto Farias, com Reginaldo Farias e o nosso saudoso John Herbert. Foi um filme que fez muito sucesso na época e foi muito bacana. Eu há 12 anos atrás recebi esse texto, a convite de um amigo, acabei me encantando com o texto, com a métrica desse texto, com essa comédia de situação, um texto muito inteligente, onde o público realmente se diverte e é uma peça que não cansa, nem a você que está fazendo, nem ao público, por ser uma comédia inteligente e muito rápida, muito ágil. Então não temos aquela famosa barriga, onde as pessoas relaxam, olham pro relógio e pensam no tempo querendo ir embora. É uma comédia que tem um timing maravilhoso e que conquista a todos. E há 12 anos atrás eu acabei produzindo e dirigindo, levando pros festivais internacionais de comédia, que foram em Portugal e na Espanha, e agora, depois de 9, 10 anos, eu consegui voltar ao teatro, porque eu fiquei muito tempo sem fazer teatro por conta de um trabalho após o outro na televisão, e agora voltando ao teatro fazendo novamente uma repaginada no espetáculo, produzindo novamente, fazendo uma nova direção, temos três pessoas novas no elenco, e fazendo a nossa estreia no Rio de Janeiro. Então as pessoas que fizeram comigo ainda continuam, tem o Marcos Holanda, que faz o Joaozinho, a Raquel Nunes, que é uma atriz sensacional, ela faz a Donzela, e entraram no espetáculo os novos atores, a atriz Louise Nagel, Andréia Segatti e o ator Anderson Carvalho, que integram esse novo elenco. Então a gente está agora em turnê pelo Brasil todo, chegando em Goiânia, esperamos que todos se divirtam juntamente conosco, como a gente tem se divertido e feito esse trabalho. Então assim, é uma comédia que o público pode esperar muitas e muitas gargalhadas. A gente tem a intenção e a pretensão de fazer o público se divertir e graças a Deus esse objetivo está sendo alcançado.


Podemos dizer que o texto, que aborda de forma divertida uma série de confusões em torno de um casal e de um amigo que não quer se casar, não perdeu a sua atualidade?

Bom, eu conservei a estrutura principal do espetáculo como um todo, deixando a essência da obra do Gláucio Gill, e fiz a adaptação do texto trazendo pros dias atuais. As piadas sendo mais atuais, mas a situação em si, a comédia de situações que já é estabelecida, ela é atemporal, porque fala da história de um surfista mulherengo, que tem pavor tremendo ao casamento, e ele tem um melhor amigo, que é o Joaozinho, que namora com uma menina, que é considerada uma donzela por ser filha de um General do Exército, linha dura, e esse menino, quando namorando com essa menina leva ela pra casa e um dia ela acaba dormindo na casa dele e nisso o pai acaba descobrindo e é um General conservador e vai atrás. No que ele vai atrás, esse melhor amigo que está namorando com a menina pede pro meu personagem, o Porfírio, esconder a menina na casa dele, porque o General está indo lá dar uma busca na casa do Joaozinho. E o Joaozinho, malandramente, pede pro seu amigo, que é o meu personagem, pra esconder e ele o faz. Ele esconde ela lá. Só que quando o General chega no prédio, existe um porteiro e esse porteiro, subentende-se que ele porteiro é um pouco ciumento com o meu personagem, o Porfírio, por ele ser um surfista mulherengo, solteirão convicto e todo dia ele supostamente levar uma garota pra casa, coisa e tal pra namorar. E o porteiro tem ciúmes, tem uma inveja e fala "é hoje que eu sacanear esse cara". Quando o General chega lá, ao invés dele falar que a menina está na casa do Joaozinho, ele fala que ela está na casa do Porfírio, que é o namorador e tudo mais. O General descobre essa situação, acaba descobrindo a filha e ele acha que quem está ali namorando com a filha dele é o solteirão convicto e obriga o meu personagem a casar com a filha. Daí se cria essa comédia toda de situação. Então assim a atualização e a nova direção do texto se deu justamente a isso, pra que se atualizasse as piadas, para que trouxéssemos o espetáculo para os dias de hoje. Na verdade, hoje em dia ninguém é um general tão general, severo, e nem tão bonzinho, e também as donzelas nem são tão donzelas ou deixam de ser donzelas. Na verdade há uma flexibilidade, mas há uma igualdade no cuidado do pai, o cuidado que todos os pais têm em relação às suas filhas, principalmente quando menores de idade, então essa preocupação existe, esses valores são questionados dentro do espetáculo, então eu acredito que esses valores eles sejam imutáveis e esse sentimento de um pai para uma filha seja sempre da mesma forma, ou lá em 1960, ou hoje em 2015, eu acho que esse tipo de sentimento é um sentimento que vai sempre perdurar de uma forma plena. Então o espetáculo é bem atual, as piadas são completamente atuais e o que o público vai ver e perceber são situações inusitadas de muita diversão.


Quais são as expectativas para as apresentações em Goiânia?

As expectativas são as melhores e as mais otimistas possíveis, pois entramos em turnê há mais de um mês, fizemos uma temporada no Rio de Janeiro, que foi sensacional. Acabamos de fazer uma temporada também no SESI de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, pois a nossa estreia se deu no Fashion Mall, por dois meses. Ficamos um mês agora, no SESI de Jacarepaguá, e continuamos agora a nossa turnê pelo Brasil, chegando agora em Goiânia. Então eu espero e desejo muito que Goiânia, com um povo caloroso, um povo alegre, pessoas que são festivas, existem muitos shows, muita coisa bacana, muito movimento artístico acontece em Goiânia, a gente está bem otimista e a gente acredita sim que as pessoas vão se divertir muito. Então o que a gente espera é ver as casas lotadas, são dois dias de apresentação, então a gente com certeza está esperando um público maravilhoso, que se divirta e faça com que a gente se divirta junto com ele. É isso que a gente espera e deseja e é isso que a gente tem feito por esse "Brasilzão" todo afora, levando alegria e diversão pra todo mundo.


Que tal convidar o leitor do site Arroz de Fyesta para conferir o espetáculo no fim de semana?

Galera do site Arroz de Fyesta, deixo aqui o meu convite para que vocês venham nos ver, venham se divertir, venham gargalhar na nossa comédia deliciosa e divertidíssima, que é "Toda Donzela tem o Pai que é uma Fera". Esperamos vocês, estaremos aí na cidade no dia 24 e 25, levando toda a nossa alegria e toda a nossa diversão. Então se você gosta de teatro, se você gosta de rir, quer ter uma hora e meia de momentos agradabilíssimos de prazer e de pura descontração, vá lá nos ver no Teatro do SESI. Com certeza vamos fazer com que você tenha uma hora e trinta de puro relaxamento e descontração e alegria, está certo? Então espero vocês lá, que Deus abençoe a todos e que façamos dois dias maravilhosos de um espetáculo cheio de alegria e diversão, tá bom? Muito obrigado, fiquem com Deus e até lá!


PUBLICIDADE

img

PUBLICIDADE

img

PUBLICIDADE

img

AGENDA

< >

Comentários

Deixe um comentário

Seu email não será divulgado

O autor do comentário é o único responsável pelo conteúdo publicado.

img

Av. D, nº 419, sala 401, Ed. Comercial Marista

Goiânia - GO / CEP:74.150-040

(62) 9946-0186

[email protected]